quinta-feira, março 20, 2008

Quando a gente se faz gente
não há cidade à noite que nos faça frente

Por vezes há certos acontecimentos que se antevêem com uma ansiedade avassaladora e, apesar dês todos os receios que possam rondar os nossos pensamentos, esses acontecimentos acabam mesmo por ter lugar e todos os possíveis desencontros que poderiam comprometer ou impedir esses acontecimentos acabam por não se realizar, fazendo acreditar que nem sempre as leis de Murphy estão a ser aplicadas, como pensávamos. E esses episódios não precisam de decorrer da forma mais maravilhosa que tínhamos imaginado, podem simplesmente ser “normais” porque permite a existência da perspectiva de um dia - quiçá até bem próximo – em que as coisas corram novamente “normais”, o que por si só já era uma garantia de que tinha voltado a acontecer. O facto de não ter sido mau ou decepcionante – espero eu - do ponto de vista alheio, já faz com que a insónia se torne mais aceitável e se fique com um sorriso estúpido a olhar para o tecto de um quarto vazio.

E quem sabe se um desses acontecimentos não deixa de ser “normal” e passe a ser extraordinário (para mim já o foi e estive lá).

post scriptum – sim, fiz o que pude para ser, pelo menos, normal, porque assim evito que seja um fracasso.


A musica que deixo aqui hoje é outra coisa magnifica, que por acaso já conhecia há uns tempos, mas que apenas lhe prestei atenção na ultima terça-feira, em mais um périplo Faro-Coimbra-Faro para mais uma consulta de rotina aos olhos.
Há quem diga que esta Delilah existe (é claro que existe, todas as musicas/letras/poemas de amor são dedicados a alguém). A letra é bem bonita, e a musica em si também.
Chama-se Hey there Delilah, dos Plain White T’s e foi lançada inicialmente em 2006, ganhando grande relevo a partir de meados de 2007.
E, evidentemente, a excelente letra pode-se encontrar um bocadinho mais abaixo.



Hey there Delilah
What's it like in New York City?
I'm a thousand miles away
But girl, tonight you look so pretty
Yes you do
Times Square can't shine as bright as you
I swear it's true

Hey there Delilah
Don't you worry about the distance
I'm right there if you get lonely
Give this song another listen
Close your eyes
Listen to my voice, it's my disguise
I'm by your side

Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
What you do to me

Hey there Delilah
I know times are getting hard
But just believe me, girl
Someday I'll pay the bills with this guitar
We'll have it good
We'll have the life we knew we would
My word is good

Hey there Delilah
I've got so much left to say
If every simple song I wrote to you
Would take your breath away
I'd write it all
Even more in love with me you'd fall
We'd have it all

Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me

A thousand miles seems pretty far
But they've got planes and trains and cars
I'd walk to you if I had no other way
Our friends would all make fun of us
and we'll just laugh along because we know
That none of them have felt this way
Delilah I can promise you
That by the time we get through
The world will never ever be the same
And you're to blame

Hey there Delilah
You be good and don't you miss me
Two more years and you'll be done with school
And I'll be making history like I do
You'll know it's all because of you
We can do whatever we want to
Hey there Delilah here's to you
This one's for you

Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
Oh it's what you do to me
What you do to me.

(Hey There Delilah, Plain White T's)


mais um post scriptum - tirei as pontuações por estrelas porque reparei que tornam o blog um bocado pesado e lento. A quem votava (tão generosamente, diga-se) o meu muito obrigado. Era tão facil dar nota minima, porque era anonimo, mas pelos vistos ninguem se lembrou disso.




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer