quarta-feira, janeiro 07, 2009

Hiper-minimalista

Podia ser uma pessoa algo simplista, quase minimalista, e limitar-me a dizer "gosto de ti". Quem pouco ou mal me conhecesse até ficaria convencido que tal seria normalíssimo, pois sou um bocado introvertido perto de pessoas que pouco ou mal conheço e ao verem-me fazer tal coisa achariam normal.

Poderia até ser uma pessoa mais elaborada, entregue à louca intensidade de se tentar viver uma paixão em todo o seu esplendor, dizendo aos quatro ventos como és bela, apontando a beleza que emanas, a forma doce como os cabelos se deixam descair sobre as tuas costas, a maravilha do teu suave sorriso que me deixa embasbacado, o brilho dos teus olhos que me tiram as palavras e o som da tua voz que desperta em mim um alerta absurdo de esperança em ouvir o meu nome falado ao timbre da tua boca.

Mas não... sou ainda mais louco que isso. Preciso sê-lo, porque sei que se fosse apenas assim não teria a mínima hipótese. Como não sou rico – mesmo que acredite que não é isso que te move – nem tenho o corpo musculado que as mulheres tanto parecem procurar e apreciar. Como não tenho um sorriso do outro mundo que prenda alguém, muito menos um olhar matador que desarme a mulher mais empedernida. Como não sou um Adónis, nem pouco mais ou menos.

Como tenho noção disso levo-me a mim próprio aos limites da loucura, ou pelo menos àquilo que acho que o seja. E é essa loucura – que de saudável duvido que tenha alguma coisa – que me permite admirar o teu indelével toque no mundo, naquilo em que ele se tornou desde que apareceste. Alguns dos pequenos pormenores que a maioria das pessoas não se dão ao trabalho de reparar, seja por falta de tempo ou de vontade.


Noto como é sublime a tua forma de escrever, e cada vez que vejo uma letra tua já sei de quem é, como se estivesse a ouvir a tua voz, para mim já inconfundível, a ditar-me aquelas palavras ali deixadas por ti.

Tenho especial apreço pela maneira como escreves o 9. Não me lembro de ver um 9 tão belo, tão preciso, em toda a minha vida. Se tivesse de existir um modelo de 9 que tivesse de ser seguido por toda a gente, teria de ser o teu 9. Se um simples 9 fosse suficiente para ser uma obra prima, então esse 9 teria de ser o 9 escrito por ti. É como se o 9 tivesse finalmente exibido toda a sua importância, como se tivesse criado uma nova forma de ser e a matemática tivesse sido inventada só para se chegar ao teu 9.

É a este tipo de loucura que me refiro, que me vai alimentando, que tenho contida dentro de mim, porque dizê-lo a quem quer que seja mais não seria do que tornar-me alvo de chacota. Duvido que mais alguém perceba tamanha loucura.

É a loucura que guardo dentro de mim, porque por fora, perto de ti nem minimalista consigo ser. Nem um "gosto de ti" consigo dizer.

"Só eu sei ver o Sol nascer".




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer