quinta-feira, março 26, 2009

Lenta mente mente



Estava um fim de dia magnífico. Respiravam-se os primeiros raios de sol do inicio da Primavera, e o aumento da temperatura era visível na ausência dos casacos que durante meses se tinham avolumado sobre os corpos.

Numa esplanada com vista para uma marina, um grupo mais animado percorria os minutos de relaxamento após mais um dia de trabalho, com uma ou duas imperiais, alguma conversa e muitas gargalhadas.
Qualquer assunto servia para conversar e não havia tabus. Pequenos episódios mais ou menos alegres, mais ou menos surreais do que se havia passado naquele dia de trabalho eram dissecados até à exaustão não sem antes se aventar hipóteses imaginárias do que seria se tivessem reagido de maneira diferente a uma determinada situação.
Os nomes dos barcos ancorados não podiam deixar de ser gracejados, e passavam tempos infindáveis a inventar teorias para a razão de ser de cada nome, enquanto criavam também possíveis nomes para barcos que viessem a ter, num futuro mais desprendido economicamente. Cada nome mais inverosímil que o anterior, como se fosse uma competição para encontrar o mais estranho de todos e que mais gargalhadas provocasse.

De repente uma das raparigas levanta-se, arruma a cadeira e mete a mala a tira-colo.

- Bem, tenho de ir…

- Eu levo-te, disse um deles, enquanto tentava tirar a carteira para pagar a conta.

- Deixa, não é preciso. Vou a pé, é logo ali.


Ele voltou a sentar-se, cabisbaixo. Ela foi embora e durante uns instantes os sorrisos fecharam-se e um silêncio grassou por aquela mesa. Todos sabiam que não era “logo ali”, que afinal ainda era uma volta bem grande e que a boleia seria aceite, se não tivesse proveniência em quem teve.

- O tempo está mesmo bom, hein? – ouviu-se timidamente, numa clara tentativa de motivar outros tópicos de conversa e desbloquear o constrangimento que se tinha apoderado daquela mesa. PArecia não ter sortido efeito. Outra voz se levantou.
- Realmente já tinha saudades de um solzinho assim... vai outra imperial?

Na iminencia do fim de tarde ficar por ali, ele acedeu... esboçou um esforçado sorriso, como que aceitando a oferta de aconchego...

E a conversa lá voltou a ganhar algum ritmo, mas com muito menos gargalhadas. Pouco tempo depois começaram a debandar em direcção às suas casas, cada um a seu tempo, cada um para seu lado.

Para o fim tinha ficado o rapaz cabisbaixo, ainda sem conseguir disfarçar o desgosto de mais uma pequena e eterna rejeição. Ouve-se então, entre-dentes:

- Gostas mesmo dela, não é?

Ele encolhe os ombros, conformado. E fazendo alusão a uma vontade que não escolheu, respondeu:
-E o que é que isso contribui para a minha felicidade…?


E foi-se embora, ficando a pensar o resto do dia naquela que era a frase que melhor o caracterizava …

“o que é que isso contribui para a minha felicidade?”…




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer