sexta-feira, abril 13, 2007

A evolução natural das coisas...


Crisântemo tinha tido uma vida bastante atribulada. Aprendeu a andar aos 4 anos e meio, quando teve altura para pular por cima da cerca que os pais lhe tinham construido (convenhamos que começar a "pular a cerca" com esta idade é obra...). Aos 7 anos já sabia dizer 3 palavras. O resto da infancia e a adolescencia não têm muita história, o tempo era dividido entre os andaimes e os pequenos furtos, à noite. Para tirar a carta de condução foram necessárias 28 tentativas, divididas entre 16 escolas diferentes, juntando 3 carros capotados e mais 12 irremediavelmente destruidos. Curiosamente o instrutor que o passou foi despedido 2 meses depois, acusado de "ilegalidades".
Com 24 anos, no dia em que largou a droga, a mãe ralhou com ele... “que faz esta farinha toda no chão da minha casa??” e obrigou-o a ficar de castigo em casa até fazer 28.
Agora... agora que tinha dado entrada no hospital, a familia ía chegando aos poucos, na esperança de ter noticias sobre a gravidade do seu estado. Entre conversas lá houve um que disse “ah, o Crisântemo era uma acidente à espera de acontecer”.
Nisto, após escarrar para o chão e enquanto puxava de mais um cigarro, a mãe respondeu, mantendo a postura e o tom calmo: “ó compadre, não fale do que não sabe... o acidente já foi há muito tempo atrás, mais exactamente 8 meses e 21 dias antes de ele nascer... maldito carteiro”.

Passado pouco tempo, o médico de serviço aproximou-se.
- Receio ter más noticias...

Um brilho reluzente foi visivel nos olhos da mãe (e do pseudo-pai) de Crisântemo, enquanto esboçavam uma ténue tentativa de não sorrir. E prosseguiu o médico:
- Não há nada que possamos fazer por ele, por isso poderão levá-lo já hoje.
- Mas... é grave, Sô Doutor? Nem os orgãos se aproveitam para vender...? – retorquiu o carteiro, que se encontrava ali ao lado e já menos animado com a perspectiva da perda de lucros.
- O Crisântemo sofre do Sindrome de Nel Monteiro...

Assim que o médico acaba de dizer isto, aparece Crisântemo, com uma farfalhuda carapinha em tom acastanhado, com a voz esganiçada e inconfundivel de Nel Monteiro, a cantar “há quanto tempo eu não comia um bife destes... um bife destes à portuguesa”.
A mãe, de repente, enche-se de lágrimas nos olhos, corre em direcção de Crisântemo e grita “o meu filho!!! O filho que eu sempre quis!!!!!”.

Ps - foi por muito pouco que o Crisântemo não se chamou Crisólito... porque o seu nascimento foi bastante insólito.




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer