segunda-feira, janeiro 21, 2008

Oblívio


Soneto ao esquecimento

Que se solte a voz num cântico insolente
Desenhando formas de sonho e de luar
E que no meio de tudo e nada se invente
Terra, fogo, agua e ar.

Que se cure toda a alma doente
E se revoltem as ondas no fundo do mar:
A luz pertence à gente que sente,
Quem não se entrega nem se deixa derrotar.

Que soem bem longe os ecos da vitoria
Louvando quem em voz alta exclama:
“eu não, não me deixei dominar pela fama!”

Em vão, inóspito esforço da luta inglória,
é grito murmurado que perdeu a chama
E não sabe porque luta, não sabe quem ama.

…………………….Nelson Gonçalves (21/1/2008)




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer