segunda-feira, janeiro 21, 2008

Rastos


Nada à vista

Quem me diz o que é que ando a fazer?
O porquê das coisas que faço sem saber...
Porque deixo as pegadas neste caminho
Que pareço decidido a segui-lo sozinho?

Onde o tempo passa demasiadamente devagar,
Onde o horizonte e o céu se misturam no olhar.
O porquê de todas as coisas que faço sem saber
E não nego que essas coisas me fazem sofrer.

Olho à minha volta e não há nada à vista,
Uma alma caridosa que diga que eu desista.
Uma tabuleta ou um mapa para eu me guiar.
Aqui, onde o tempo passa demasiado devagar.

Talvez espere que volte de novo a ser dia
E então pedir ao sol que me sirva de guia.
E continuarei a deixar pegadas neste caminho,
Que não tenho remédio senão fazê-lo sozinho...

..........................Nelson Gonçalves (31/1/2001)




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer