quarta-feira, agosto 29, 2007

Rotundas com muitas faixas confundem as pessoas


Na curva da tua anca

Balanças o corpo como se estivesses a dançar.
Na curva da tua anca os sons aconchegam-se
e parecem ganhar ritmos novos e diferentes,
onde a luz se torna sublime e explode em mil sois.
O vestido branco alvo em que te escondes,
assim contra a luz, acaba por te deixar exposta:
bela, esculpida ao pormenor com a subtileza
das mãos de quem nutre um especial amor à arte,
e fazes do mar um manto de loucuras perdidas
onde as estradas não têm fim nem destino.
Admito, sem pudor, que te fito e que te admiro...
não quero passar por mentiroso, perto de ti.
E não tenho problemas nenhuns em dizer
que não é mais que um desejo carnal...
infestado de pecado, dirão os pudicos.
Pois que o digam, é verdade e não nego.
Entrego-me aos prazeres da tua beleza
como se fosse tecto para um sem-abrigo.
E espero que no momento crucial da paixão
consiga ser capaz de entender
que em ti há uma infinita beleza interior,
fonte eterna do meu completo amor.
Seja lá o que isso for...

.............Nelson Gonçalves (28/08/2007)




0 Comments:

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home



referer referrer referers referrers http_referer